Deep in the meadow, under the willow, a bed of grass, a soft green pillow.
Domingo, 6 de Maio de 2012

Sem rodeios.

Nunca fui uma pessoa que se pudesse considerar normal. Ou pelo menos normal dentro dos limites que a sociedade pôs para esse adjectivo. Nunca fui aquela rapariga que andava sempre de mini-saia e que tinha tonelada de amigos, namorados ou algo mais. Sempre fui aquela rapariga que todos viam com um sorriso na cara; aquela que não tinha grande fama, nunca lhe tinham posto nomes, nunca teve uma grande mão cheia de namorados. Era aquela que conheciam como uma pessoa alegre e que nunca se cansava de rir.

Mas eu não sou sempre assim. Ninguém o é. Normalmente, as pessoas que são mais alegres e felizes têm a tendência de se sentirem mais sozinhas. De se rebaixarem. Eu sempre me rebaixem até ao mais baixo nível, quando me apercebi que tudo o que eu sonhava nunca se iria concretizar. Quando me apercebi que tudo o que um dia sonhei iria por água a baixo porque tenho demasiado medo do que as pessoas possam achar só por seguir os meus sonhos. Vergonha. E agora só de me lembrar do que antes sonhava ter ou ser, levanta-se um arrepio na minha espinha. As lágrimas vêm-me aos olhos só de pensar que eu, se tivesse mais força, poderia conseguir tudo. Se nunca tivesse medo do que os outros iriam dizer.

Mas mesmo assim continuo a ser uma sonhadora. Ainda continuo a sonhar que qualquer dia irei puder viajar pelo Mundo inteiro, sem parar. Que irei ser feliz sem alguém ter que se meter no meu caminho fazendo-me temer isso.

Eu preciso de ser livre para o fazer. Preciso de me libertar de todas estas correntes que me seguram bem firme contra a escuridão. Preciso de me libertar para puder ser aquilo que sempre quis. Não apenas aquela rapariga que parece alegre, mas sim aquela rapariga que é alegre. E eu preciso tanto disso. Preciso de tanta coisa para ser feliz e não é estando presa ao passado que vou conseguir. E por mais difícil que seja, eu consigo levantar-me todos os dias da cama e pensar que vai ser um bom dia. Luto todos os dias para não chorar quando olho o espelho e luto todos os dias para ser forte e não me deixar cair à frente das pessoas que conheço.

Eu não sou a mesma pessoa que todos os outros pensam que sou. Eu não estou bem. Ninguém está, porque há demasiada corrente a puxar-nos. Demasiados insultos e demasiadas lágrimas. Demasiadas pessoas más. E eu luto todos os dias para não ligar a essas pessoas porque elas não merecem a minha atenção. Não a merecem, mas as palavras magoam. Isto não é um conto de fadas, é a realidade e a realidade magoa. E mesmo magoando, eu finjo estar feliz. Meto a máscara. Mas está na hora de eu tirar essa máscara e deitá-la fora, porque máscaras é no teatro e isto é a vida real.

ragkook:Candice

separadores: ,
uma filosofia de agnes hope às 20:03
link | favoritos?
De fugiu a 7 de Maio de 2012 às 01:20
Sim, acredito que sim.


Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



nos favoritos

pulso

Não existe altura inalcan...

eram jogos

Naufrago

chama-lhe sorte

é.

No fundo.

(onze)

em treze palavras

O chão que pisas sou eu.

entertainment

metade são coisas impossíveis; 101 coisas em 1001 dias

dossier

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

separadores

bitches

blogs

cartas

challenge

estúpido

família

férias

filosofias

hunger games

images

inspira-me

jennifer lawrence

josh

movies

músicas

quotes

school

sem interesse

sobre mim

tumblr

todas as tags

de quem fala comigo

«e tu principalmente estas a ser um anjo do meu blog» - lhuna / «eu gosto de ti, sendo tu normal ou não.» - marie

networks

listography; tumblr; twitter; formspring; goodreads; mahogany - blogspot;

theme by ariana